Esportes Notícias

Técnico de Itajaí ganha chance na seleção brasileira júnior de handebol masculino

Depois de muito trabalho, o treinador Drean Dutra finalmente recebeu uma oportunidade na seleção brasileira de handebol. Como assistente técnico do time júnior, foi ao Chile para a disputa do Campeonato Pan-Americano Juvenil Masculino

Depois de muito trabalho, o treinador Drean Dutra finalmente recebeu uma oportunidade na seleção brasileira de handebol. Como assistente técnico do time júnior, foi ao Chile para a disputa do Campeonato Pan-Americano Juvenil Masculino

Texto: Bernardo Marucco, Erickson Stocker e Lucas Filus

Os 24 anos dedicados ao handebol finalmente foram reconhecidos. Pela primeira vez, o treinador Drean Dutra foi chamado para a comissão técnica da seleção brasileira para o Campeonato Pan-Americano Juvenil Masculino de Handebol. No Chile, o profissional da Univali de Itajaí foi assistente técnico da categoria júnior nacional. Até chegar ao posto, Dutra vivenciou muitas aventuras nesse veloz esporte das quadras.

Sua carreira começou no mesmo lugar em que ele trabalha atualmente. Pela Univali, Drean se formou no ensino médio e começou a praticar a modalidade. “Comecei no Colégio de Aplicação. Em 1993 eu já era atleta de Itajaí e trabalhava com o handebol, dando aula na Univali”, conta  o experiente professor, que começou a viver seus melhores momentos na modalidade pouco tempo depois.

Logo após a virada do século, Drean já atuava com treinador do time adulto de Itajaí. “O trabalho deu resultado. Fomos tricampeões dos JASC (Jogos Abertos de Santa Catarina) em 2002, 2003, 2004.” Os três títulos confirmaram o grande trabalho de Dutra, que investiu na formação de atletas nos anos seguintes. “Em 2007, começamos com as categorias de base cadete, juvenil e júnior. No primeiro ano, fomos campeões do Brasileiro cadete e ficamos em quinto no juvenil, lá em São Bernardo do Campo,” lembrou o treinador de 51 anos, que garantiu a equipe da Fundação Municipal de Esportes de Balneário Camboriú no pódio das competições nacionais até o ano passado.

15700651289_bc9e4c34a8_z (1)
Drean treinou Balneário Camboriú e foi campeão dos JASC em Itajaí, derrotando os donos da casa na grande decisão (Foto: Antonio Prado/Arquivo Flickr Fesporte)

Em 2017, Drean voltou para o seu berço na modalidade quando assinou contrato com a Univali de Itajaí. E por coincidência do destino (ou não), foi chamado para a seleção brasileira pouco tempo depois. “A oportunidade de trabalhar na comissão técnica da seleção é um prêmio pelos resultados conquistados em Itapema, Balneário Camboriú e Itajaí, que foram cidades que nos deram oportunidade de aparecer no cenário nacional. Também preciso agradecer a Univali, que sempre nos apoiou. Sem esta instituição, não teríamos condições de trabalhar em alto nível nas categorias de base e também nunca teríamos ganhos três edições dos jogos abertos somente com gurizada”.

Sincero e sem papas na língua, Drean ainda acredita que foi chamado para a seleção por pura meritocracia. “O convite não veio de maneira política e nem na forma de paternalismo, mas sim pelo trabalho que fizemos no clube e nas cidades que nos apoiam. Isso é por mérito, não por ser amigo ou por trabalhar em clubes dos grandes centros,” disse Dutra. Ele ainda recebeu uma autorização especial para poder trabalhar com a amarelinha. “Tenho uma carga horária muito grande na escola, por isso sou muito grato a direção do colégio de aplicação e o reitor, que viabilizaram a minha saída nessa grande oportunidade.”

Drean
Drean embarcou para o Chile junto com o ponta Allefer Bellan, atleta da Univali de BC (Foto: Reprodução/Facebook)

Futuro do handebol

Experiente, o treinador também falou sobre os problemas financeiros que o esporte sofre. “Falta muito apoio a nível nacional, a modalidade está com muita dificuldade. Várias empresas e algumas prefeituras não ajudam mais a modalidade em Santa Catarina. Já em São Paulo, onde estão localizadas as melhores equipes do Brasil, o nível é melhor,” comentou o professor.

Depois de Itajaí participar da Superliga B em 2015, Drean sonha com a participação de algum time do Vale do Itajaí na próxima edição da segunda divisão do handebol nacional. “Precisamos um pouco mais de apoio para poder voltar a liga nacional no próximo ano,” finalizou o treinador Drean Dutra, assistente técnico da seleção brasileira júnior.

15884470381_d4c2a1cdfd_z
Enérgico e raçudo, esse é o estilo do treinador Dutra dentro das quadras (Foto: Antonio Prado/Arquivo Flickr Fesporte)

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s