Comportamento

Casa na Mata traz releituras e conceitos diferenciados para recreação da garotada

Um espaço de interação que resgata o modelo antigo de brincar, passado e presente se unem para melhorar o aprendizado.

Passado e presente se unem para melhorar o aprendizado em um  espaço de interação que resgata o modelo antigo de brincar. Mesmo sem brinquedos eletrônicos a diversão está garantida. 

Texto: Evandro Ritzel, Kauana Amine e Miriany Pimentel

A infância é uma fase de desenvolvimento, aprendizado e muita brincadeira. Todo adulto já foi criança um dia e, provavelmente, brincou muito. No passado, não havia tantas opções de brinquedos como hoje.  As brincadeiras eram simples, mas recheadas de criatividade e significado. Se você não tem programação para o Dia das Crianças, te apresentamos uma opção.

Com o propósito de resgatar a essência da infância e as brincadeiras tradicionais, a empresária Lenise Silva Hamm criou um espaço diferenciado para eventos e recreação, a “Casa na Mata”. O ambiente possui áreas internas e externas, tendo a mesma temática: a natureza.

11212_528477797242925_1654093520_n

“A Casa na Mata é um conceito diferenciado, o contato com a natureza e o resgate cultural com foco na criança. Tudo tem um porquê; as brincadeiras, o compartilhar,o sentar na mesa”. – Lenise Silva Hamm 

O lado de fora é contornado por verde, as cercas construídas com pneus demarcam o caminho da estrada de chão batido que leva às árvores frutíferas. As bananeiras são o destaque da paisagem. Os balanços e casinhas construídos de madeira dão um ar campestre ao espaço. Um campinho verde completa o cenário.

O ambiente interno segue o mesmo padrão de cores. Os tons verdes das árvores cenográficas contrastam com o verde da foto nas paredes. Seguindo um padrão ecológico, o espaço foi estruturado dentro de contêineres, com decoração rústica, mesas compridas e piso de madeira. Localizado no bairro Fazenda, em Itajaí, a Casa na Mata é um ponto verde em meio às construções de prédios e casas.

Lenise teve uma infância condizente com costumes do final da década de 80 e anos 90. “Minha infância foi em contato com a natureza, brincadeiras na rua, mais liberdade que as crianças de hoje”. O projeto idealizado por ela busca trazer os significados de amor, união e compartilhamento entre filhos e pais. As brincadeiras são pensadas pedagogicamente. O contexto, tema da festa, estações do ano e até o clima são levados em consideração.

A Casa na Mata foi inaugurada em maio deste ano. O local recebe festas de aniversários e realiza eventos abertos ao público. As atividades recreativas são produzidas por profissionais especializados. Além das brincadeiras tradicionais, cantigas e gincanas, a equipe trabalha com oficinas, contação de histórias e teatro de bonecos de pano.

Para a empresária, é gratificante ver as crianças em contato com a natureza, brincando e superando dificuldades. “Não é apenas um buffet de aniversário, aqui é um centro de atividades ligado à essência da criança, à infância. Trabalhamos com referências e releituras. O importante é a felicidade de quem passa por aqui. Prezamos pelo  amor  às crianças, às brincadeiras antigas e o compartilhar”.

Nada de tablet ou smartphone. Brinquedos eletrônicos não entram. O espaço é propício para a criança se divertir, exercitar o corpo e a mente, aprender brincando. Para os pais é relembrar e reviver a infância. Um resgate do passado relacionado ao um novo estilo brincar.

14614441_1177434065628816_127797196_o
Foto: Arquivo Pessoal

Veja a lista de atividades que você encontra na Casa da Mata.

Cantigas e brincadeiras antigas – Amarelinha, corrida do saco, corrida com balões, corrida equilibrista, ovo choco galinha choca, esconde-esconde, elástico, elefante colorido, passa anel e muitas outras.

Contação de Histórias – Pinóquio, O Patinho Feio, A Cigarra e a Formiga, A Tartaruga e a Lebre, Mágico de OZ, João e o Pé de Feijão, Cinderela, Branca de Neve e Dois temas Bíblicos: Davi e Golias e Daniel na cova dos leões.

Teatro de Bonecos de Pano – Joãozinho e Maria, Alice no País das Maravilhas, Chapeuzinho Vermelho, Lobo Mau e os Três Porquinhos e Dois temas Bíblicos: Nascimento de Jesus e Arca de Noé.

Outros – Casinha de bonecas, fantasias lúdicas, pista de corrida, cantinho dos livros e oficinas; massinha para colorir e gincanas diversas.

Brincadeiras que resistem ao tempo

O tempo passou, hábitos mudaram e a maneira de brincar de muitas crianças se transformou. Na contemporaneidade é difícil imaginar a garotada sem videogames, computadores e jogos eletrônicos. Entretanto as brincadeiras tradicionais não caíram no esquecimento.

14689032_1177432265628996_263461147_o
Três gerações unidas pelas brincadeiras tradicionais. Foto: Miriany Pimentel

Algumas brincadeiras ainda resistem ao tempo e são passadas através das gerações. Gabriela Ferreira (12) é filha de Fabiane Ferreira (39) que por sua vez é filha de Alma Alcântara Ferreira (71). O que elas têm em comum? Se você pensou brincadeiras de infância, acertou. Nascidas em décadas diferentes, as três dividem as mesmas experiências. Com brincadeiras tradicionais e brinquedos simples, muitas vezes produzidos por elas, soltavam a imaginação. O que não faltava era diversão.

Acompanhe os depoimentos no vídeo a seguir.

A influência das brincadeiras no aprendizado

A modernidade e os avanços tecnológicos também impactaram o mundo fantasiado e colorido das crianças. A pedagoga Gesiele Reis relata que os brinquedos eletrônicos estão tomando espaço das brincadeiras simples, tornando a criança mais individualista. A pedagoga explica que o conhecimento da criança é baseado nas interações. “A criança constrói conhecimentos através de interações e brincadeiras junto ao adulto e com os seus pares. Isso ocorre porque a brincadeira promove experiências singulares”.

Gesiele ressalta que a brincadeira é primordial para o desenvolvimento do ser humano.  No âmbito educacional para a criança desenvolver criatividade, autonomia e coletividade é necessário um planejamento dos professores e as brincadeiras devem ser desenvolvidas por áreas. Para tanto, as crianças precisam ser tratadas como tal.  “É preciso que a criança seja tratada como uma criança que de fato está em desenvolvimento e que necessita de atenção e tempo para o ato de brincar.”

Para a especialista, é preciso fazer um resgate na maneira de brincar. Os brinquedos eletrônicos e a tecnologia em si são valiosos para o aprendizado, desde que se tenha equilíbrio. “É importante o resgate de momentos que se tenha de fato a educação para o sensível, para a humanização do sujeito, onde as tecnologias sejam usufruídas e exploradas para aprimorar e construir aprendizagens”, conclui a pedagoga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s