Bem-Estar

Grupos levam momentos de alegria para crianças e idosos

Além do bem-estar, ação deixa pacientes bem humorados e traz benefícios a saúde

Além do bem-estar, iniciativa deixa pacientes bem humorados e traz benefícios a saúde.

Texto: Bianca Pereira

Nariz vermelho, tinta branca no rosto, bochecha rosada, jaleco com cores, boca desenhada e um sorriso enorme no semblante. É assim que os chamados Terapeutas da Alegria chegam todas as semanas aos hospitais da região. Lá, além dos pacientes, os acompanhantes, profissionais de saúde e funcionários são agraciados com horas de “pílulas diárias e boas doses de besteirologia” – uma espécie de slogan do grupo. Composto por voluntários da cidade de Itajaí e região, além  de acadêmicos da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), o projeto tem como objetivo principal levar humanização para o ambiente hospitalar.

14169735_1185161818172300_237349937_n
Grupo de alunos e voluntários se prepara para mais uma visita (Foto:Arquivo Pessoal)

Com música, expressão corporal, teatro e bom humor os Terapeutas destinam-se a confortar o paciente que está fora da rotina, longe de familiares e bastante debilitado. Além de hospitais, visitas externas acontecem em asilos e orfanatos, com o interesse de levar, de maneira lúdica, alegria, descontração e um sentimento de superação àqueles que às vezes sofrem por abandono ou por graves doenças.

Amanda Steffen Roncada, 21 anos, se formou em Fisioterapia recentemente e é voluntária no grupo desde o segundo semestre de 2013. Para ela, mais do que levar alegria, o projeto transforma os voluntários em ótimos seres humanos. “A gente sempre fala que o projeto é uma troca. Ajudamos as pessoas, mas acabamos ajudando a nós mesmos. O ‘Terapeutas’ mudou a minha vida! Eu aprendo muito a dar valor às pequenas coisas. O projeto é a prova de que o sorriso e o bom humor fazem a diferença no nosso dia a dia”, revela.

14172088_1185161814838967_528276855_n
Terapeutas da Alegria realiza visitas em hospitais durante toda semana (Foto: Arquivo Pessoal)

Muitos pesquisadores já constataram a eficácia e o poder do bom humor e do riso para a cura de várias doenças, como problemas cardíacos e depressão. No livro “A Terapia do Riso”, de Eduardo Lambert, o autor afirma que o riso relaxa o corpo, dando uma sensação de bem-estar, algo também comprovado por Amanda. “Quando a pessoa está mais humorada ela consegue se adaptar melhor ao ambiente que está convivendo e se ajeita melhor com as situações. O riso realmente transforma o dia da pessoa”, analisa.

Outros grupos desenvolvem um papel parecido pela região. É o caso do Doutores da Graça, projeto idealizado por André Silva Machado em conjunto com um grupo de teatro. “A ideia surgiu em 2010, quando montamos um grupo de teatro. Eu tinha vários personagens, e um deles era um palhaço”. O grupo faz visitas mensais a asilos, orfanatos, encontros de mulheres, crianças e escolas, e leva, além da alegria – sua marca registrada –, um pouco de lições bíblicas.

14111715_1185161538172328_1353421935_n
Doutores da Graça faz brincadeiras com crianças e idosos mensalmente (Foto: Arquivo Pessoal)

Para os Terapeutas da Alegria, não é só a caracterização que conta como preparo para as ações. O grupo tem músicas próprias, escritas por terapeutas antigos. Em cada visita, um violão acompanha a equipe, que brinca com os ritmos musicais, transmitindo leveza aos pacientes.

Além disso, cada voluntário recebe um nome, de acordo com alguma característica sua ou por escolha de alguma criança ou idoso. Foi assim que Amanda se tornou a Dra. Flor do Cabelo Assanhado – apelido escolhido por uma senhorinha, por usar sempre uma flor no rosto. Por ter o cabelo solto, uma criança a apelidou de “cabelo assanhado”. Aconteceu, então, uma mistura dos dois apelidos.

14102004_1185162628172219_242040938_n
Músicas próprias e animação são características presentes nas visitas (Foto:Arquivo Pessoal)

André também ganhou um apelido no Doutores da Graça. Por não conseguir ficar parado e ser bastante agitado, o corretor de imóveis recebeu o nome de Dr. Espuleta. Ele, além de ter satisfação e sentimento de dever cumprido por realizar este trabalho, acredita que sair de casa uma vez por mês e se dirigir até as instituições faz as pessoas se sentirem importantes e estimuladas. “É um momento em que elas esquecem todos os problemas e vivem aquilo intensamente, sendo elas mesmas”, descreve.

14138417_1185161534838995_1159162505_n
Dr. Espuleta leva alegria e brincadeiras a idosos e crianças (Foto: Arquivo Pessoal)

Ser um voluntário dos projetos não é tarefa fácil. É preciso ter comprometimento, carinho e dedicação. Não é apenas se vestir de palhaço, mas saber transformar a vida de pessoas que esperam por momentos de alegria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s