Bem-Estar

O esporte como superação: a vida de um paratleta

Marcelo Ferraz é cadeirante e tenista. O esporte, que começou apenas como uma alternativa para melhorar a saúde, tornou-se profissão. Conheça a história de vida dele.

Marcelo Ferraz é cadeirante e tenista. O esporte, que começou apenas como uma alternativa para melhorar a saúde, tornou-se profissão

Texto: Letícia Maia, Mariana Campos e Paula Leão
Edição: Juliana Costa

Uma briga na saída da escola. Algo desconexo do ambiente de ensino, mas que mudou a vida de Marcelo Ferraz. Aos 16 anos, ele levou um tiro na cervical e se tornou paraplégico. Após ver sua vida virar de cabeça para baixo, encontrou no esporte um caminho a seguir.

Em 2008, Marcelo iniciou com o basquete profissional e seguiu até 2013. Já em 2016 foi quando começou no tênis. Faz seis meses que está treinando e afirma que está conhecendo a modalidade ainda. “Estou me preparando para competir a nível nacional”, conta. Além disso, ele treina profissionalmente o atletismo e está se preparando para treinar somente o tênis profissional a partir do segundo semestre.

IMG_1405
Marcelo durante o treino. (Foto: Letícia Maia)

A rotina de Marcelo é bem movimentada. Treina tênis duas vezes por semana e três vezes por semana faz academia. Segundo seu treinador, Leonardo Alves, Marcelo também treina durante os finais de semana às vezes. Além do foco nas competições, o técnico explica que também trabalham para melhorar a saúde dele. “O Marcelo é muito persistente e tem um rendimento muito bom. Depois que começamos os treinos, ele teve uma evolução muito rápida. Nosso projeto, que iniciou somente com objetivo de qualidade de vida, já trouxe resultados para que ele competisse nacionalmente. Ele é um cara que se dedica muito e isso é um exemplo de vida”.

Marcelo explica que uma das diferenças do tênis de cadeira de rodas para o convencional é que no de cadeira de rodas é permitido ter dois toques no solo antes da rebatida. O restante é igual: dimensões da quadra, raquete, bola, entre outros elementos do esporte.

IMG_1404
(Foto: Letícia Maia)

“Busque meios de fazer uma atividade, de sair de casa, de praticar algum esporte. Não a nível profissional, mas por questão de saúde. Se tornar profissional é uma consequência”. – Marcelo Ferraz, tenista.

Confira abaixo um vídeo mostrando o treinamento de Marcelo:

Jogos Paralímpicos

Este ano, os Jogos Paralímpicos vão acontecer aqui no Brasil, no Rio de Janeiro. Ao todo, são 23 modalidades de esportes durante a competição.

infografico
(Arte: site oficial dos Jogos Paralímpicos Rio 2016).

Confira abaixo as modalidades dos Jogos Paralímpicos:

  • Atletismo;
  • Basquete em cadeira de rodas;
  • Bocha;
  • Canoagem;
  • Ciclismo;
  • Esgrima;
  • Futebol de cinco;
  • Futebol de sete;
  • Goalball;
  • Halterofilismo;
  • Hipismo;
  • Judô;
  • Natação;
  • Remo;
  • Rugby em cadeira de rodas;
  • Tênis de mesa;
  • Tênis em cadeira de rodas;
  • Tiro com arco;
  • Tiro;
  • Triatlo;
  • Vela;
  • Voleibol sentado.

Os Jogos Paralímpicos aconteceram pela primeira vez em Roma, na Itália, em 1960. O Brasil começou a participar dos jogos em 1972, em Heidelberg, na Alemanha. Na ocasião, 20 paratletas brasileiros competiram, apenas nas categorias masculinas. A partir de 1976, em Toronto, no Canadá, é que o Brasil conquistou medalha e trouxe mulheres em sua delegação. Desde então, o país participou de 11 edições das Paralimpíadas e conquistou, ao todo, 230 medalhas, sendo 73 de ouro, 83 de prata e 74 de bronze.

Na última edição dos jogos, que aconteceram em 2012 em Londres, na Inglaterra, o Brasil conseguiu sua melhor colocação: ficou em sétimo lugar no quadro de medalhas e conquistou 21 ouros, 14 pratas e oito bronzes, totalizando 43 medalhas. Nos jogos de Pequim, na China, em 2008, a delegação brasileira faturou 47 medalhas (16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze), mas ficou em nono lugar geral.

Historicamente, o Brasil tem melhores resultados nos Jogos Paralímpicos do que nos Jogos Olímpicos. Desde a primeira edição das Olimpíadas em que o país participou, em Antuérpia, na Alemanha, em 1920, a delegação brasileira conquistou 108 medalhas no total.

Nos Jogos Parapan-Americanos, que aconteceram em 2015 em Toronto, o Brasil foi o campeão geral. No total, foram 257 medalhas, sendo 109 de ouro, 74 de prata e também 74 de bronze. Foi uma diferença de 36 medalhas para o segundo colocado, o país anfitrião Canadá, que alcançou 221 medalhas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s