Bem-Estar

Retornando para casa: a história de um ex-dependente

A história de Jonathan Bezerra de Menezes emocionou a região e serviu de exemplo para outras pessoas que convivem com o vício das drogas

Para falar mais sobre o tema, Jornalista de Itajaí escreveu um livro sobre vítimas das drogas

Texto: Schaline Rudnitzki e Bruna Bertoletti
Edição: Thamiriz Garcia

Há pouco mais de um ano, Jonathan Bezerra de Menezes, de 30 anos, procurou o Centro de Referência e Assistência Social (CRAS), em Camboriú, para pedir auxílio para enfrentar a dependência química e se curar. Após 12 anos como dependente, as drogas mais leves foram ficando para trás e por não saciarem mais o vício, foi a porta de entrada para o crack. Jonathan só se deu conta que havia chegado ao seu limite quando a guarda dos três filhos – todos menores de seis anos – foi posta em risco. A mãe das crianças, que já tinha deixado a convivência familiar, abriu mão das crianças e não quis assumi-los nem quando Jonathan conseguiu a vaga para tratamento na Comunidade Terapêutica Viver Livre. Vindo do Paraná há aproximadamente sete anos e sem familiares por perto, ele procurou ajuda.

13608036_1329087173785315_1436992626_n
Jonathan recebe atendimento. Foto: Conselho Tutelar de Camboriú

Durante o tempo de tratamento, a administradora do Centro Viver Livre, Áurea Fabiane Dos Santos Cacapietra, conta que Jonathan costumava visitar os filhos no abrigo e era comprometido com o tratamento. “Não deu problemas e completou todo o tratamento”, relembra Áurea, que afirma ainda que ele estava um pouco ansioso com o fim da internação. Agora, há menos de um mês, Jonathan deixou a instituição e retornou à vida em sociedade. Recuperou a guarda dos filhos e deixou a cidade de Camboriú para morar junto com a ex-sogra, em Itajaí, e oferecer um lar para a família.

Buscando ajuda

Na manhã de uma quinta-feira (18 de junho de 2015), Jonathan procurou o CRAS para pedir ajuda, lá foi encaminhado também para o Conselho Tutelar devido a situação dos filhos. Ao retornar à casa em que morava de aluguel a fim de buscar documentos, ele se emocionou e levou como recordação para o período de internação a chupeta de um das crianças.

13595592_1329087183785314_54746471_n
Jonathan com a chupeta de um dos filhos em mãos. Foto: Conselho Tutelar de Camboriú

Quem acompanhou de perto a história dele foi Manoel Mafra, então coordenador do Núcleo de Prevenção às Drogas e Pedofilia de Camboriú. Mafra divulgou a história através da fanpage do Núcleo. O primeiro vídeo alcançou 750 visualizações e dali em diante a luta de Jonathan para se livrar do vício e recuperar os filhos passou a ser acompanhada pelos camboriuenses: foram nove vídeos contando o passo a passo do tratamento e com o resultado foi criada uma campanha de mensagens de motivação para o jovem pai.

A camboriuense Kelen Deschamps conheceu Jonathan na época em que a esposa dele havia deixado o lar. Em seu relato, afirma que ele chorava muito sentado em uma pracinha da cidade junto com os três filhos. “Emprestamos o celular para ele ligar para ela. A mulher atendeu e disse que era para ele ficar com as crianças, que ela não iria mais voltar. Todos que estávamos juntos, ali acompanhando o drama, nos comovemos, conversamos e o orientamos. O menininho maior, de quatro aninhos só falava: a mamãe foi embora”, recordou.

Exemplos de superação

13588969_1329941013699931_729058696_o
Livro da jornalista Karine Mendonça. Foto: Schaline Rudnitzki

A luta contra a dependência química foi tema do Trabalho de Conclusão de Curso da jornalista Karine Mendonça, formada pela Univali em 2014. O livro-reportagem intitulado “Assim como era no Éden: vozes das drogas” foi publicado em 2015 com recursos do projeto “Meu primeiro livro”, da Prefeitura de Itajaí, pela editora ACENE.

A obra conta a história de nove homens que passaram por experiências semelhantes a de Jonathan em relação às drogas. “Esse nome foi escolhido como uma metáfora, para sugerir que somos criaturas frágeis buscando o paraíso em um mundo em conflito. Esse é o mesmo caso das personagens do meu livro. Eles estão lutando para reconquistar esse paraíso perdido nas drogas”, explica a autora.

A jornalista conta que quando o livro ganhou forma em setembro de 2015, os personagens já tinham concluído o tratamento contra as drogas e, muitos, retornado às suas cidades de origem ou mesmo se mudado, tornando mais difícil o reencontro. “Infelizmente, acabei perdendo o contato com eles. Entretanto, dos nove entrevistados, um continuou em Itajaí – o Mineiro. Tive o privilégio de entregar-lhe pessoalmente um livro. Após a leitura, Mineiro confessou que ficou surpreso com a forma sensível e respeitosa adotada ao longo da obra. Respirei aliviada! Poderia ouvir muitos elogios de diferentes leitores, mas o feedback de alguém que viveu aquela história retratada é o que me faz continuar na caminhada de contadora de histórias”, relembra.

Para Karine o maior desafio foi encontrar a melhor forma de tratar as confidências pessoais sem ofender os entrevistados, e nem agredir o leitor. Para ela, outro momento gratificante foi com o personagem Nego Buti, uma figura folclórica de Itajaí. “Ele mora na casa de recuperação e não consegue mais ler. Portanto, fui pessoalmente lhe entregar um exemplar e ler a história dele. Foi um turbilhão de emoções! A cada página, Buti ia relembrando as memórias registradas e, por vezes, concluía as frases antes mesmo que eu as terminasse. Tudo isso, é claro, permeado de muitas gargalhadas”.

Serviço:

Núcleo de Prevenção ao uso de drogas e combate a pedofilia

Rua Presidente Costa e Silva, 329 – Centro

Camboriú/SC

Comunidade Terapêutica Viver Livre

Rua José Pedras Brancas, 795 – Bairro Nova Esperança

Balneário Camboriú/SC

CERTA – Centro de Atendimento e Triagem

 Rua Joaquim Agostinho Vieira, 182 – Centro

Camboriú/SC

um comentário

  1. Tratamento alternativo funciona para adcçao, heantos, ibogaina entre outros…. Depois de 18 anos escravo, 4 x internado , mts medicamentos ., funcionou para mim, apenas 2hrs de procedimento, mas a recuperaçao é diaria em sala e terapias de conversar com espelhos limpos, evitar havitos pessoas e lugares e ser agradecido sao passos a serem seguidos… Sou prova viva que existe vida após as drogas …meu fone 13997582889

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s