Opinião

A praça é deles: disputa e diversão no dominó entre os idosos

A escolha pelo dominó tem explicação: serve para passar o tempo, fazer amigos e desenvolve a memória

A escolha pelo dominó tem explicação: serve para passar o tempo, fazer amigos e desenvolve a memória

Texto e fotos: Schaline Rudnitzki

O cenário do Centro de Camboriú tem todos os ingredientes de uma boa cidade do interior: uma praça que serve de ponto de encontro para gerações, lanchonetes de moradores locais conhecidos pelo apelido, a prefeitura, a igreja – tudo acontecendo em uma única quadra.

Dos lugares mais interessantes para se observar a vida camboriuense, está a Praça das Figueiras. No Natal, cheia de luzes e com decoração especial, atrai moradores em noites quentes de verão; nas demais noites, ainda bem iluminada, as atrações são variadas – de terno de Reis em janeiro à disputa de skatistas em abril; dos jovens que perambulam diariamente e se deixam ficar pela internet gratuita a idosos que se encontram todas as tardes para uma (ou muitas) partidas de dominó.

13014984_1272352806125419_14436861_n
Antonio Bocasanta (de camisa lilás) joga diariamente há 15 anos | Foto: Schaline Rudnitzki

Antônio Bocasanta, de 61 anos, é um desses jogadores frequentes da Praça. Vindo de Curitiba há 26 anos, mora pertinho do local, é casado e tem dois filhos já adultos. Pela aparência não demonstra a idade, olhos atentos no jogo, mãos ágeis e não titubeia muito nas respostas. “É preciso estar atento a partida, os jogadores são espertos demais”, salienta.

São 15 anos em que as tardes são ocupadas pelo jogo. Jogam em duplas, uns contra os outros. Por vezes as duplas mudam, ou a mesa em que jogam. Mas estão lá. Quanto tempo ficam? “Depende. Duas horas, uma. Mas, sempre à tarde. De manhã não faço expediente”, brinca.

A escolha pelo dominó tem explicação: serve para passar o tempo, fazer amigos e desenvolve a memória. Sem apostas, o jogo é um esporte para os dedos e para o cérebro. Ali é só brincadeira, diversão que uma vez ou outra termina numa briga – coisa pequena, entre os que disputam. “Tem que fazer as contas rapidinho quando o jogo termina, senão eles passam a perna na gente”, explica Antônio.

Nessa tarde, uma segunda-feira, sua dupla estava ganhando. Mas a esposa em casa não sabia por onde ele andava. “Moça, isso vai aonde mesmo? Não vai ter data, né?”, diz em meio a risadas, explicando que nesse dia não tinha dado satisfação à mulher.

A tradição do dominó já ganhou a cidade e é levada tão a sério que a Exporural – festa anual em homenagem ao aniversário do município – já inclui em seu calendário o Torneio de Dominó. Os amigos das tardes na Praça das Figueiras se encontram lá também e outros tantos aparecem para se arriscar na brincadeira.

13046057_1272352892792077_1072336181_n
As tardes de dominó viraram tradição na cidade | Foto: Schaline Rudnitzki

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s